segunda-feira, 25 de julho de 2011

O Dançar de uma Deusa

A música é suave, envolvente.
O clima da dança é mágico como num conto das mil e uma noites. No ar, os incensos perfumados relaxam o corpo e mente. A mulher se prepara para a dança, enfeita-se veste-se com seu belíssimo traje de tecido leve e brilhante.
Seus véus esvoaçam diáfanos, como se fossem levados pelo vento.
A delicadeza de suas mãos e de seus gestos parecem transformá-la em uma criatura celestial. Seu corpo dança, sinuoso como uma serpente, como se deslizasse suavemente ao som de um flauta. A expressão de seu tosto é de felicidade, seu semblante reflete esplendor, beleza e feminilidade divinos.
Tudo nela é suave, delicado, mas seus olhos são fortes,
possuem um magnetismo desconcertante e cheio de mistérios. Meio em transe, se entrega ao ritmo da dança. Não importa se é gorda ou magra, feia ou bonita, idosa ou jovem – sabe apenas que é mulher, feminina, sensual, plena, cheia de vida e energia. A dança revela seu mistério num olhar, num gesto, num sorriso, num jeito de jogar os cabelos, no andar, no brilho da aura de quem está de bom com a vida e não tem medo de ser feliz.


Sueli Lyz
Enviar um comentário